Ansiedade e depressão: entenda os sintomas e as diferenças

Ansiedade e depressão: entenda os sintomas e as diferenças. No entanto, eles têm diferentes razões, sinais e tratamentos.Cada distúrbio tem seus próprios pontos, que geralmente são opostos. Entretanto, uma única pessoa pode ter ambos os transtornos.

Ambos fazem com que a pessoa se envolva em comportamentos que perturbam sua rotina, causando diferentes perdas nas inter-relações sociais, e funções gerais.

O que é depressão?

A depressão é um grave distúrbio crônico da mente, caracterizado por intensa tristeza, mal-estar, apatia, perda do interesse em ocupações anteriormente agradáveis, baixa auto-estima, sentimentos de culpa e, nos casos mais graves, pensamentos de morte ou idéias suicidas, entre outros sinais. Seus sinais têm a possibilidade de serem suaves, moderados ou severos grande escala.

O que é depressão clinica Recuperando vida

É uma doença multifatorial, ou seja, tem várias razões e pode ser causada por pontos biológicos, genéticos ou psicológicos. Ela prejudica os sentimentos da pessoa, altera o humor e o comportamento do indivíduo, gerando diferentes problemas na vida diária da pessoa.

Também pode ser desencadeada por alterações químicas no cérebro do indivíduo, onde os neurotransmissores, noradrenalina, serotonina e dopamina, que são substâncias que transmitem impulsos nervosos nas células, não são suficientemente gerados.

Além disso, pode ser crônica ou aparecer logo após situações externas, ou seja, situações consideradas traumáticas para a pessoa, tais como a morte de um membro da família ou o desemprego, têm a possibilidade de iniciar sinais de depressão em uma pessoa que mostra uma predisposição.

De acordo com dados da OMS (OMS), bem mais de 300 milhões de pessoa em todo o mundo sofrem de depressão. No Brasil há bem mais de 11,5 milhões de pessoa afetados pela doença.

Também é essencial não confundir depressão com tristeza, que é uma emoção passageira. A depressão é um fenômeno constante.

O que é a ansiedade?

A ansiedade é um estado emocional caracterizado por sentimentos de tensão, inquietação e maus pensamentos.

A ansiedade é uma atitude comum e natural que qualquer pessoa pode ter durante o seu dia, que pode estar relacionada à fala em público, à véspera de um exame ou de uma entrevista de emprego.

A ansiedade natural é benéfica porque leva os pessoa a realizar projetos e fazer planos para o futuro. O que se torna preocupante é seu excesso.

Ela só pode ser considerada uma doença quando se constrói em freqüência e magnitude, comprometendo a saúde emocional do indivíduo e interferindo na vida cotidiana.

A ansiedade pode se tornar uma desordem na funcionalidade da freqüência e magnitude de seus sinais. Desta forma, o transtorno de ansiedade é considerado uma doença, na qual as

O que é a ansiedade clinica Recuperando vida

pessoas têm uma inquietação desmedida e um medo profundo que acabam interferindo em sua vida cotidiana. Pessoa com este tipo de distúrbio são susceptíveis de exibir sinais físicos e psicológicos.

Entre os transtornos de ansiedade mais freqüentes temos: fobias, que é o medo incongruente de objetos, situações e seres, embora o risco não seja real; transtorno de ansiedade generalizada (GAD) e transtorno de pânico.

No Brasil, cerca de 19 milhões de pessoa sofrem de qualquer tipo de transtorno de ansiedade, segundo um inquérito da Organização Mundial da Saúde. E com os atuais eventos pandêmicos da doença, este número só tem aumentado.

Se nenhuma ação for tomada para prevenir e tratar estas doenças, elas continuarão a aumentar.

Como saber se uma pessoa sofre de ansiedade?

Segundo uma investigação da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil é o país com os maiores índices de depressão e ansiedade durante o período de quarentena e separação social devido à doença pandêmica Covid-19. A pesquisa foi realizada em 11 territórios e o aumento foi de 63% para a ansiedade e 59% para a depressão.

Portanto, é essencial compreender as diferenças e semelhanças entre os dois, e como tal, se necessário, buscar ajuda de especialistas especializados para um diagnóstico e tratamento ideais.

A ansiedade é um fenômeno habitual que nos acontece e, em várias situações, ela até age de forma benéfica, como vimos no tópico anterior.

Entretanto, uma vez exacerbada, ou seja, aumenta e se torna um fenômeno constante, torna-se um problema, para o qual o indivíduo começa a expressar novos sinais e indicações que têm a possibilidade de ser localizado.

Os sinais mais visíveis são o medo constante ou situações de estresse ou de transcendência extrema. Os sinais têm a possibilidade de se alterar de acordo com a desordem e a experiência do indivíduo com a doença.

Como saber se uma pessoa sofre de ansiedade clinica Recuperando vida

No entanto, é possível captar certos sinais mais peculiares e habituais, tais como: medos sem descrição aparente ou emergência real, mudanças no período de sono e desejo, preocupação, ansiedade também se afirma em sinais físicos como suor excessivo, tremores corporais, cansaço recorrente, náuseas, calafrios e inconvenientes no sistema gastrointestinal.

Também é comum o desenvolvimento de outros distúrbios, tais como distúrbios bipolares e depressivos, portanto você deve estar atento às mudanças de humor repentinas que têm a possibilidade de serem peculiares a vários desses distúrbios.

É bastante comum em casos de pessoa ansiosos o comportamento de auto-sabotagem, como não fazer suas ocupações e tarefas por medo de cometer erros ou adiá-las, observando o lado ruim das coisas com freqüência, tentando ser perfeccionista em tudo o que fazem.

Nesta situação, o perfeccionismo poderia ser amplificado pela desordem e já existir anteriormente ou ser uma característica totalmente nova do indivíduo.

O que pode causar o distúrbio da ansiedade?

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que, uma vez que se fala em transtorno de ansiedade, há uma série de outros transtornos que são considerados como pontos ansiosos, como por exemplo:

– Fobia específica;
– Outras fobias;
– Transtorno de ansiedade generalizada
– Distúrbios de pânico;
– Transtorno de estresse pós-traumático;

Esta categorização é definida de acordo com a perspectiva do CID-10 e DSM-V, código mundial de doenças 10ª versão e manual de diagnóstico e estatística de transtornos mentais 5ª versão respectivamente.

Como mostrado acima, o transtorno de ansiedade causa sinais físicos e emocionais, entre os quais temos a possibilidade de destacar a variação do ritmo cardíaco, complexidade respiratória, tontura, náusea, suor, tremor e outros sinais físicos.

O que pode causar o distúrbio da ansiedade clinica Recuperando vida

Entre os sinais emocionais e psicológicos, pode também causar distúrbios do sono (insônia e hipersônia), problemas de concentração, evasão de eventos sociais, medo insano, agitação, irritabilidade, confusão da mente.

Além disso, o transtorno de ansiedade, seja ele qual for, pode causar comorbidades, especialmente de outros transtornos ansiosos ou de humor.

Tomando como exemplo o transtorno de ansiedade generalizada (GAD), por ser um dos transtornos de ansiedade mais freqüentes, de acordo com a pesquisa de 2019 da Revista De Brasil de Psiquiatria, 14,3% da amostra da população em questão tinha este transtorno.

Tomando o CTC como base, este transtorno pode oferecer local para comorbidades como perigo de suicídio, distimia, transtorno depressivo grave e depressão freqüente.

Quais são os 3 tipos de ansiedade?

A ansiedade pode ser classificada de acordo com vários sistemas e empresas, e a psicanálise também não é diferente, assim como a psicanálise tem uma perspectiva exclusiva sobre este distúrbio.

Para a psicanálise, o transtorno da ansiedade e a interação com a ansiedade está diretamente ligada à iniciativa da expectativa e do sentimento de pertencer, sendo o resultado do esforço do indivíduo para evitar situações problemáticas.

Como o indivíduo aspira a antecipar o futuro ou uma ação futura para expressar o medo, ele produz uma instabilidade psíquica, sendo comum até causar sofrimento psíquico, estabelecendo um transtorno.

Para Freud existem 3 tipos de ansiedade: moralista, real e neurótica, veja abaixo a diferença entre elas.

Ansiedade moralista

A ansiedade moralista está relacionada ao medo de ser punido pela culpa de quebrar o próprio código moral, e a instância do superego é responsável por esta regulamentação.

Ansiedade real

Para a psicanálise, a verdadeira ansiedade se baseia em medos de fora de si mesmo, de uma forma não específica mas justificável, como caminhar em um ambiente desconhecido e escuro.

Ansiedade neurótica

 

Ansiedade neurótica clinica Recuperando vida

No final, a ansiedade neurótica é definida como um medo não detalhado de algo que pode ou não ser real e justificável, geralmente relacionado à apreensão de um risco desconhecido.

Esta ansiedade é geralmente o resultado de um instinto autodestrutivo e como uma resposta generalizada a qualquer trauma inconsciente.

Veja também: Ideação suicida: O que é, como reconhecê-la e quais são os tratamentos?

Qual é a diferença entre a ansiedade e o transtorno de ansiedade?

A ansiedade é um estado emocional natural e que nos ajuda contra um estado de risco e apreensão viável, apesar de estar associada a coisas ruins como tensão e preocupações, são exatamente esses sentimentos que tornam cada um de nós capaz de trabalhar.

A diferença acontece quando tais sentimentos se tornam comuns e começam a agitar a vida do indivíduo, configurada como transtorno de ansiedade, apresentando os sinais já mencionados anteriormente.

A ansiedade é a emoção natural que todo ser humano carrega e que, embora possa parecer ruim no início, é importante para nossa sobrevivência no ambiente social.

Entretanto, o transtorno é uma vez que a ansiedade está operando de forma disfuncional e trazendo o mal à vida do indivíduo, de modo a comprometer o modelo biopsicossocial de vida.

Qual é a diferença entre a ansiedade e a depressão?

Qual é a diferença entre a ansiedade e a depressão clinica Recuperando vida

Ansiedade e depressão são 2 transtornos mentais que geralmente estão ligados, porque os pessoa que têm depressão acabam desenvolvendo ansiedade e o oposto também é verdadeiro. É recorrente que estes transtornos são relacionados uns com os outros.

A diferenciação entre eles poderia ser uma tarefa mais complexa. Diversas informações como parentes anteriores, história clínica e uma observação descritiva têm a possibilidade de beneficiar o médico que faz o diagnóstico; além disso, eles têm diferenças sutis entre eles que, para aqueles que os conhecem, facilitam a percepção.

A depressão é um distúrbio psiquiátrico crônico grave, que está relacionado a sentimentos de caráter emocional, onde a pessoa mostra alterações de humor.

Também envolve mudanças nos pensamentos e baixa energia, e como tal, a pessoa mostra idéias associadas a perguntas do passado.

Entretanto, a ansiedade é algo natural no homem, que pode surgir em face de eventos estressantes. No entanto, a ansiedade de forma excessiva pode acabar se tornando uma doença, para a qual a pessoa mostra uma ansiedade gigantesca sobre o futuro, ou seja, sobre o que vai acontecer.

Os transtornos de ansiedade têm pontos como o medo e a ansiedade excessiva, bem como transtornos comportamentais.

Quando a ansiedade se transforma em depressão?

Às vezes, o estresse pode ser o início do problema. Uma pessoa que está sempre estressada e que não se cuida pode desenvolver ansiedade patológica, que pode se transformar em depressão ou o contrário.

Em casos de ansiedade ligada à depressão, o quadro se agrava. Uma vez que uma pessoa tem ambas as doenças, é provável que os sinais se tornem mais graves.

É bastante comum que pessoa que sofrem de ansiedade, também tenham depressão e vice-versa, porque são sentimentos opostos, a pessoa em uma tentativa de permanecer em equilíbrio acaba variando entre os sinais de um e de outro.

Quando a ansiedade se transforma em depressão clinica Recuperando vida

Os transtornos de ansiedade têm a possibilidade de provocar depressão, devido ao fato de que os sinais limitam o sujeito a ter e a manter sua rotina regular. Da mesma forma, os sinais depressivos, uma vez deixados sem tratamento, têm o potencial de causar ansiedade para se manifestar.

As pessoas com depressão também são ansiosas?

O que acontece é que depressão e ansiedade são doenças comorbidas, ou seja, têm a possibilidade de ocorrer simultaneamente e quando uma está presente o perigo de desenvolver a outra aumenta.

Assim, nem todas as pessoas que têm depressão se tornarão ansiosas, porém existem mais maneiras de desenvolver esta desordem, e para dizer a verdade é às vezes difícil saber quem começou antes e quem começou depois, isto acontece porque certos sinais de cada desordem têm a possibilidade de facilitar o surgimento de outros.

Assim como o desconforto gerado pela depressão pode causar ansiedade, as preocupações geradas pela ansiedade também têm o potencial de criar desconforto e pensamentos obsessivos, que têm o potencial de produzir sofrimento psíquico e enfraquecer o indivíduo e facilitar o início da depressão.

Sintomas físicos

Ansiedade e depressão são distúrbios que também de distúrbios psicológicos expressam sinais físicos, que têm a possibilidade de se alterar de acordo com o nível da doença, o componente biológico do indivíduo afetado, no entanto, há sinais mais freqüentes.

 

Sintomas físicos clinica Recuperando vida

Na ansiedade, os sinais físicos mais comuns são: transpiração excessiva; falta de vento causado pela respiração imediata causada pelo nervosismo ou ataques de pânico; taquicardia, que é o crescimento do ritmo cardíaco que pode causar dor no peito devido à alta freqüência; tremor no corpo humano graças ao desconforto psicológico; náusea; fadiga muscular e até mesmo dores musculares no corpo humano; queda de cabelo devido ao estresse; inconvenientes digestivos que têm a possibilidade de serem associados ao ganho ou perda de peso; e tontura.

Na situação de depressão, os sinais são diferentes. Elas são:dor em todo o corpo, lágrimas e choro recorrentes graças a mudanças repentinas de humor,dores de cabeça, que, como dores no corpo em geral, são somarizadas, descargas de inconvenientes emocionais e psicológicos no corpo, aperto e dores no peito, provavelmente causados por tristeza e desconforto, inconvenientes gastrointestinais; prostração no corpo, especialmente nos membros, mudanças no período de sono e no desejo, que têm a possibilidade de causar aumento ou perda de peso; diminuição do desejo sexual, especialmente devido à sensação de desconforto e falta de motivação.

Como lidar com o problema

Além de medicamentos ou psicoterapias como formas de tratamento contra a ansiedade, existem também formas naturais, que têm a possibilidade de serem indicadas por especialistas especializados em saúde psicológica.

Vários deles são: ocupações físicas, manter o controle da respiração, minimizar o estresse, evitar pensamentos negativos, frases de amor, além de muitos outros.

Entretanto, é constantemente indicado que em casos de suposições de ansiedade, o médico e o psicólogo devem ser consultados para que os especialistas possam orientar o processo.

Para enfrentar a depressão, é necessário que a pessoa procure ajuda profissional para lidar com ela e indique a melhor maneira de proceder, bem como ocupações que melhorem e apóiem o sujeito a ter uma boa qualidade de vida.

Como lidar com o problema clinica Recuperando vida

As ocupações recomendadas têm a possibilidade de serem ocupações físicas, ingestão de alimentos saudáveis, sair com amigos e ajustar o ambiente familiar, além de muitas outras.

As duas doenças são inconvenientes que quanto mais cedo forem tratadas melhor, para que a doença não se desenvolva tanto, pois quanto mais aguda for a etapa da doença, mais complexo será o tratamento, procure apoio especializado assim que suspeitar e esteja atento aos sinais físicos e psicológicos de cada uma.

Tratamentos de depressão

Existem algumas possibilidades prováveis para o tratamento de ansiedade e depressão; as mais confiáveis são as psicoterapias e medicamentos prescritos por psiquiatras, assim como as ocupações naturais que tornam a vida mais saudável e facilitam o tratamento, a estrutura dos tratamentos para as duas situações depende do nível da doença.

A psicoterapia é fundamental em todos os níveis da doença, porém nos casos iniciais somente a psicoterapia poderia ser suficiente para o caso, a psicoterapia intervirá na raiz do problema, tentando encontrá-lo e resolvê-lo.

O uso de medicamentos permanece designados para casos mais complicados ou severos. Ansiolíticos e antidepressivos têm funcionalidades específicas e há vários efeitos, porém a aplicação mais comum é o controle das taxas de neurotransmissores em nosso sistema nervoso central.

Na situação dos ansiolíticos, eles atuarão sobre os neurotransmissores ligados a estados de ansiedade, agressividade, impulsividade, e terão um certo impacto calmante.

Os antidepressivos têm a possibilidade de agir para regular os níveis dos hormônios de prazer e paz em nosso corpo humano, que neste momento são baixos, e aumentar sua porção, assim como regular as habituais oscilações de humor da depressão.

Além disso, é essencial ter uma rotina que favoreça a recuperação, para a qual vários médicos indicam que uma dieta balanceada, uma rotina de exercícios, mensagens de bom dia e ocupações de descanso ajudam, pois estimulam a produção e regulação desses neurotransmissores de forma natural.

Tratamentos de depressão clinica Recuperando vida

Há também a internação psiquiátrica que é indicada em casos de crise em que o indivíduo põe em risco sua história e/ou a dos outros ao seu redor, para a qual o indivíduo necessita permanecer em uma organização que forneça a ajuda psicológica de saúde que esta pessoa necessita, até que se estabilize novamente e seja capaz de retornar à vida social.

Internação psiquiátrica para depressão

A internação psiquiátrica para depressão é um tipo diferente de tratamento e deve ser realizada em um local que ofereça as melhores condições para que o paciente possa lidar com sua doença. Este lugar deve facilitar o atendimento e ter tratamentos, e especialistas especializados em saúde psicológica.

Este tipo de tratamento visa a defender e favorecer o sujeito até que ele melhore significativamente. Nas internações psiquiátricas, o paciente tem mais modalidades de recuperação e de retorno ao equilíbrio.

Não há um período pré-determinado para a internação da depressão, pois depende de suas razões, da gravidade e magnitude dos sinais, assim como da vontade do paciente de avançar com o tratamento.

 

Internação psiquiátrica para depressão clinica Recuperando vida

Este tempo é definido pelo psiquiatra, que examina a situação e elabora o plano terapêutico, ou seja, os tipos de tratamentos que o paciente vai necessitar durante toda a internação, além do acompanhamento por outros especialistas.

[su_heading size=”16″]Clique aqui para saber mais sobre as clínicas do Clinica Recuperando Vida ![/su_heading]

Em que casos é oferecida a internação psiquiátrica para depressão?

Este tipo de tratamento é indicado nos casos em que o paciente não mais possui soberania sobre si mesmo, e uma vez que ele esteja psicologicamente instável, representando uma ameaça para si mesmo, sua família e amigos. Além disso, nos casos mais graves em que há perigo de suicídio, também é proposto.

Outras situações em que a internação é fundamental, são concedidas quando a pessoa não aceita ou reconhece que necessita de ajuda e, conseqüentemente, não aceita formas processuais como, por exemplo, o uso de medicamentos.

Portanto, é necessário intervir em oposição à vontade do paciente, ato autorizado por lei, a fim de trazê-lo de volta ao equilíbrio da mente.

Existe uma cura para a depressão?

Tendo em mente que a depressão é uma doença crônica que tem inúmeras razões envolvendo pontos genéticos, biológicos e psicossociais, ela não tem cura.

Entretanto, com os tratamentos adequados é possível manter o controle de seus sinais e episódios. Nenhum tipo de tratamento ou medicação é capaz de apagar completamente cada uma de suas razões ao longo da vida da pessoa.

Existe uma cura para a depressão clinica Recuperando vida

A depressão não tem cura, mas pode ser tratada para reduzir ou mesmo remover a aparência dos sinais.

Conseqüentemente, o paciente deve tentar continuamente manter um equilíbrio biopsicossocial a fim de não recair durante sua história, cumprindo assim com os tratamentos designados.

Como pode ser mantido o controle da depressão após uma internação psiquiátrica?

Após uma internação psiquiátrica, é necessário continuar as sugestões médicas específicas para cada caso, mas o cuidado mais freqüente nestes casos é iniciar uma terapia ou continuar se o paciente já estava em terapia antes da internação.

Muitas clínicas de internação têm propostas de apoio procedimental mesmo após a internação, para monitorar o indivíduo e ajudar a prevenir a recorrência de tal episódio.

Obviamente, se necessário, deve ser usada medicação, que ajudará a aliviar os sinais e sintomas da depressão e a manter uma vida normal.

Conclusão

Ansiedade e depressão são doenças que têm muito em comum e que comumente têm a possibilidade de caminharem juntas, no entanto, como mostrado ao longo deste documento, elas têm diferenças notáveis e situações diversas na vida de uma pessoa.

Portanto, tais doenças não são apenas um problema presente que se acentuou devido ao problema da doença pandêmica, mas também um problema futuro, pois continua a crescer, se não houver consciência e possibilidades efetivas para o tratamento de tais doenças, a vida diária poderá ser prejudicada.

Por esta razão, é fundamental nosso trabalho aqui, que dá ao leitor as informações elementares, além de demonstrar como distinguir cada distúrbio e suas formas de tratamento e que é viável continuar vivendo e fazendo um trabalho mesmo depois de desenvolvê-los.

Você gostaria de falar com um especialista?

📞Fale com um de nossos consultores de plantão Atendimento 24 horas via whatsapp.📞

🚑“A Clínica Recuperando Vida se tornou a maior referência em 👆Clínica de Recuperação para dependente Químicos e Alcoólatras Particular do Brasil 👍

Clique Aqui
1
Precisa de ajuda?
Olá 👋 bem vindo(a) ao Clinica Recuperando Vida , precisando de ajuda ?